quarta-feira, 28 de dezembro de 2022

De Ivana Bentes sobre a logo do novo governo

Ivana Bentes

Professora Titular da UFRJ, Pró Reitora de Extensão da UFRJ Twitter @ivanabentes Colunista da Revista @cultrevista e @midianinja

linktr.ee/ivanabentes


Costurando os retalhos! O blefe bolsonarista continua. Terrorismo psicológico e guerra real e simbólica é isso: quando se busca tensionar, ameaçar, por em risco com palavras e atos mequetrefes a grande celebração e festa na posse do presidente eleito @lulaoficial


Ocupar o espaço público e mental com uma tempestade semiótica extremista: ameaças de bombas , golpe e caos em meio a rezas e fundamentalismo religioso.

Mil ameaças delirantes e atos bufões, deixando todos constrangidos entre desqualificar o terrorismo-pastelão e levar a sério as ameaças reais.

Foram 4 anos de exaustão mental, ordem e contra-ordens de uma guerra de informações e fake news como nunca tínhamos visto e que adoece e produz trauma e danos a saúde mental de um país

Fomos sequestrados por golpes e ameaças contínuas de ruptura institucional exaustivas que nunca se concretizaram! O golpe sempre foi esse grande blefe!

Eu só queria estar aqui discutindo a nova logo do governo do Brasil : ) Achei conceitual, pop e popular os quadradinhos coloridos.

Pelo nosso direito de tecer esse outro Brasil com pedaços de arte , quadradinhos de Mondrian, de patchwork, de retalhos e do fuxico brasileiro.

Brasil está esgarçado , vai ter que colar e costurar cada pedaço, dia 1o de janeiro acaba o blefe ! #brasil

quarta-feira, 21 de dezembro de 2022

 



A proposta de transformar materiais recicláveis em dispositivos de reabilitação permitiu reproduzir os equipamentos de fisioterapia com materiais antes descartados, como tampinhas de garrafas pet, isopor, canos de PVC, retalhos de tecido e de papelão, entre outros.

Essa iniciativa resultou da percepção de estudantes de fisioterapia para o processo de envelhecimento e suas demandas. Divulgada pelo Portal do Envelhecimento



segunda-feira, 7 de novembro de 2022

Destaque em livro sobre inovações sociais e públicas

 O capítulo “Iniciativas de estudantes de Minas Gerais para o cuidado de pessoas idosas”, elaborado em coautoria de Silvia M. M. Costa, Simone Martins e Carmen Pineda foi destaque no Prefácio e recebeu um comentário especial no capítulo de encerramento (p. 251).

O livro "Inovações Sociais e Inovações Públicas para Mudança Social e Desenvolvimento" foi organizado por pesquisadores brasileiros e um pesquisadora espanhola, todos integrantes do Grupo de Pesquisa Gestão Social e Desenvolvimento Local e vinculados a universidades do norte brasileiro e grupos de pesquisa multinacionais. A publicação faz parte da Série Gestão Social e Desenvolvimento Local, em sua 4ª edição. 


Segue trecho comentado no capítulo de encerramento:

A possibilidade de suporte por parte do Estado ou mesmo de outros grupos sociais pode ressignificar a vida na sociedade. De certa forma, é o que nos mostra Costa, Pineda e Martins no Capítulo 8 quando nos demonstram inovações sociotécnicas direcionadas para melhorar a qualidade de vida de idosos e de enfermos a partir da criação de equipamentos de suporte à mobilidade ou outras necessidades físicas específicas. Tais equipamentos criados por jovens em função de sua vivências práticas no percurso de sua formação profissional vão além das inovações sociais e de tecnologias assistivas por via dos equipamentos em si, mas vão pelo melhor entendimento das necessidades, às vezes básicas, de uma pessoa com limitações físicas. Essa percepção só é possível de ocorrer pela convivência entre jovens saudáveis e idosos com perdas de saúde física na linha da relação intergeracional. A inovação social relatada por Costa, Pineda e Martins perpassa pelo que Oosterlynck (2013:2) define como “práticas circunscritas a nível local (...)” que contribuem para que pessoas ou grupos socialmente excluídos consigam recuperar funções relacionadas às suas necessidades sociais básicas, permitindo, de certa forma, o re-empoderamento pela recuperação de uma de suas capacidades que lhes dão maior autonomia e liberdade. Destaque-se que o sucesso das práticas circunscritas ao nível local pode se espraiar por toda sociedade desde que ascenda para um nível mais ampliado por via de um programa ou projeto público transformando-se, assim, em uma inovação pública. 

Quando o Estado chama para si a tentativa de solução de questões específicas, mas de significativa repercussão social, as possibilidades de os resultados da inovação serem amplos e terem reverberação para mudança social são bem maiores. A inovação pública se caracteriza quando o Estado coloca em prática ideias que buscam responder problemas e demandas sociais, por via de políticas, programas, projetos e serviços públicos.

quinta-feira, 2 de junho de 2022

Brasil, Espanha e Colômbia – a longevidade em cada país

 

Abertura do Seminário por Rosa Roig, da Universidade de Valencia, Espanha

A aliança entre as instituições representadas no Seminário Internacional do Núcleo Gegop Longevidade, mostrou pontos em comum do envelhecimento populacional dos três países e também as especificidades de cada região.

Com o tema "Políticas e Práticas para a Longevidade" foram apresentados casos, esperando que as experiências compartilhadas contribuam para a ampliação de melhorias para a população idosa.

 As apresentações da cidade de Valencia, Espanha, permitiram conhecer iniciativas voltadas à população idosa, diferentes entre si, com objetivos convergentes.

 O panorama das políticas de saúde mental na Colômbia mostram avanços no que tange às pessoas idosas. E sobre o Pará, no norte do Brasil, foi apresentado o estado-da-arte da pesquisa empreendida pela comunidade acadêmica.

 Ao final, foi feita uma exposição da trajetória das políticas internacionais que referenciaram políticas para o envelhecimento no Brasil e no mundo.

domingo, 24 de abril de 2022

Uma união possível: Moradia, Conselhos de Direitos da Pessoa Idosa e Conselhos de Arquitetura e Urbanismo

 Políticas Públicas e Habitação de Interesse Social

 

https://www.capitaldopantanal.com.br/geral/projeto-urbanistico-que-vai-investir-us-40-milhoes-em-corumba-foi/519445/

Caso se unissem a “Frente Nacional de Fortalecimento dos Conselhos de Direitos da Pessoa Idosa” (FFC) e o “Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil” (CAU/BR), poderiam desenvolver projetos conjuntos em cumprimento dos Artigos 37 e 38 do Estatuto do Idoso (Lei n.° 10.741/2003) sobre “Habitação” para a população idosa.

São abordadas no Estatuto do Idoso, entre outras questões: moradia digna; identificação externa de residências coletivas; reserva de unidades residenciais em programas habitacionais públicos ou na modalidade público-privada; eliminação de barreiras arquitetônicas e urbanísticas; critérios de financiamento compatíveis com os rendimentos de aposentadoria e pensão.

O CAU/BR desenvolve uma linha de política habitacional de forma prioritária em que os conselhos estaduais de arquitetura e urbanismo estão implantando vários projetos e ações de acordo com as suas peculiaridades locais.

Nessa linha, o CAU Paraná lançou no dia 31 de março pp, em Maringá, PR, o projeto de "Oficinas para construção e capacitação de um instrumento diagnóstico habitacional municipal a partir dos Agentes Comunitários de Saúde (ACS)". O fomento do projeto é do CAU/BR e a realização é da Prefeitura de Maringá e da Fundação João Pinheiro, com o apoio do projeto ATHIS (Assistência Técnica em Habitação de Interesse Social).

Os Conselhos Municipais de Direitos da Pessoa Idosa podem se articular com os Conselhos Estaduais de Arquitetura e Urbanismo para mobilizarem a gestão pública municipal em relação à legislação já existente.

De abrangência geral, a Lei Nº 11.888, de 24 de dezembro de 2008, estabelece que deve-se “Assegurar às famílias de baixa renda assistência técnica pública e gratuita para o projeto e a construção de habitação de interesse social e altera a Lei no 11.124, de 16 de junho de 2005”.

Em 2016, a publicação do IPEA “Política nacional do idoso: velhas e novas questões” analisou os 20 anos da Política Nacional do Idoso, tendo um capítulo sobre Habitação que descreve políticas públicas da área.

Cabe fazer a aproximação!

terça-feira, 12 de abril de 2022

Inovações para a longevidade!

Imagem da Cartilha da Comissão Nacional de Desenvolvimento Sustentável de Povos e Comunidades Tradicionais http://www.mds.gov.br/webarquivos/arquivo/acesso_informacao/povos_comunidades_tradicionais/II_encontro/Cartilha%20CNPCT.pdf

                                      Imagem da Cartilha da Comissão Nacional de Desenvolvimento Sustentável de Povos e Comunidades Tradicionais
http://www.mds.gov.br/webarquivos/arquivo/acesso_informacao/povos_comunidades_tradicionais/II_encontro/Cartilha%20CNPCT.pdf

Tem artigo sobre Povos e Comunidades Tradicionais (PCTs)? Quer ajudar a conhecer como é a longevidade dos PCTs?

 A chamada de artigos espera contribuir para divulgar o conhecimento que proporcione uma nova visão da expectativa de vida da população geral a partir das especificidades desses Povos e das políticas dos diversos países.

 Prazo: 22 de julho de 2022

 Forma de envio: e-mail para gegop.longevidade@gmail.com

Iniciativa da revista Estudios/Working Papers do GIGAPP (Grupo de Investigación en Gobierno, Administración y Políticas Públicas) em parceria com o Núcleo Gegop Longevidade (Políticas e Práticas para a Longevidade) e apoio do Grupo Gesdel (Gestão Social e Desenvolvimento Local) e da Frente para o Fortalecimento dos Conselhos de Direitos das Pessoas Idosas (FFC Brasil).

 Mais informações no documento.

https://drive.google.com/file/d/1viXoaux1bRoXknBsj0jNjQKsrWJB6xYz/view?fbclid=IwAR2j4hKMlLp6TKuQl3RD_vxvJVyV_RFXyKjEDRToB50clzv4Lxf5AcSZpYk

quarta-feira, 30 de março de 2022

Aberto o recebimento de RESUMOS!

Quer apresentar trabalho em um congresso internacional?

Dá para preparar um resumo até dia 25 de abril?

É possível escrever sobre o tema "Políticas e Práticas para a Longevidade"?

Então, vem para o GIGAPP 2022!

O XI Congreso Internacional en Gobierno, Administración y Políticas Públicas – GIGAPP 2022 – está recebendo propostas para sua edição deste ano e convidamos você a participar conosco do GT 2022-30 – Políticas e Práticas para a Longevidade.


No primeiro momento é necessário somente um resumo. O trabalho completo poderá ser enviado em agosto de 2022.

Sobre temas da longevidade, as informações sobre o grupo de trabalho “Gegop Longevidade: Políticas e Práticas para a Longevidade” (GT 2022-30) estão disponíveis no link https://sites.google.com/view/gigapp2022/grupos-paneles-aceptados?authuser=0.#h.gaulu1nzvf3m

O Congresso é um evento anual do GIGAPP - Grupo de Investigación en Gobierno, Administración y Políticas Públicas.

Parceiro do GIGAPP, o Gegop (Grupo de Pesquisa CNPq Espaços Deliberativos e Governança Pública/UFV) abre espaço para temas da longevidade.

1º passo: envio de RESUMO, do artigo ou comunicação científica, até dia 25 de abril de 2022.

2º passo: em caso de aprovação do resumo, envio do trabalho completo até 22 de agosto de 2022, que pode ser produzido em português ou espanhol.

Para outros temas, inclusive registro e inscrição no congresso, consultar o link: https://sites.google.com/view/gigapp2022/grupos-paneles-aceptados?authuser=0

Datas importantes:

25 de abril de 2022: envio de Resumo.

22 de agosto de 2022: envio do trabalho completo. 

À disposição para os esclarecimentos adicionais que se fizerem necessários.

Contatos: gegop.longevidade@gmail.com

Simone Martins, Rosa Roig, Carmen Pineda e Silvia Costa

Coordenadoras do GT 2022-30 - Gigapp 2022 e do Núcleo Gegop Longevidade

 

Realização

Gegop - Grupo de Pesquisa Espaços Deliberativos e Governança Pública


Apoio

Grupo de Pesquisa Gestão Social e do Desenvolvimento Local (GESDEL)

Frente para o Fortalecimento dos Conselhos de Direitos da Pessoa Idosa (FFC)