segunda-feira, 7 de novembro de 2022

Destaque em livro sobre inovações sociais e públicas

 O capítulo “Iniciativas de estudantes de Minas Gerais para o cuidado de pessoas idosas”, elaborado em coautoria de Silvia M. M. Costa, Simone Martins e Carmen Pineda foi destaque no Prefácio e recebeu um comentário especial no capítulo de encerramento (p. 251).

O livro "Inovações Sociais e Inovações Públicas para Mudança Social e Desenvolvimento" foi organizado por pesquisadores brasileiros e um pesquisadora espanhola, todos integrantes do Grupo de Pesquisa Gestão Social e Desenvolvimento Local e vinculados a universidades do norte brasileiro e grupos de pesquisa multinacionais. A publicação faz parte da Série Gestão Social e Desenvolvimento Local, em sua 4ª edição. 


Segue trecho comentado no capítulo de encerramento:

A possibilidade de suporte por parte do Estado ou mesmo de outros grupos sociais pode ressignificar a vida na sociedade. De certa forma, é o que nos mostra Costa, Pineda e Martins no Capítulo 8 quando nos demonstram inovações sociotécnicas direcionadas para melhorar a qualidade de vida de idosos e de enfermos a partir da criação de equipamentos de suporte à mobilidade ou outras necessidades físicas específicas. Tais equipamentos criados por jovens em função de sua vivências práticas no percurso de sua formação profissional vão além das inovações sociais e de tecnologias assistivas por via dos equipamentos em si, mas vão pelo melhor entendimento das necessidades, às vezes básicas, de uma pessoa com limitações físicas. Essa percepção só é possível de ocorrer pela convivência entre jovens saudáveis e idosos com perdas de saúde física na linha da relação intergeracional. A inovação social relatada por Costa, Pineda e Martins perpassa pelo que Oosterlynck (2013:2) define como “práticas circunscritas a nível local (...)” que contribuem para que pessoas ou grupos socialmente excluídos consigam recuperar funções relacionadas às suas necessidades sociais básicas, permitindo, de certa forma, o re-empoderamento pela recuperação de uma de suas capacidades que lhes dão maior autonomia e liberdade. Destaque-se que o sucesso das práticas circunscritas ao nível local pode se espraiar por toda sociedade desde que ascenda para um nível mais ampliado por via de um programa ou projeto público transformando-se, assim, em uma inovação pública. 

Quando o Estado chama para si a tentativa de solução de questões específicas, mas de significativa repercussão social, as possibilidades de os resultados da inovação serem amplos e terem reverberação para mudança social são bem maiores. A inovação pública se caracteriza quando o Estado coloca em prática ideias que buscam responder problemas e demandas sociais, por via de políticas, programas, projetos e serviços públicos.

quinta-feira, 2 de junho de 2022

Brasil, Espanha e Colômbia – a longevidade em cada país

 

Abertura do Seminário por Rosa Roig, da Universidade de Valencia, Espanha

A aliança entre as instituições representadas no Seminário Internacional do Núcleo Gegop Longevidade, mostrou pontos em comum do envelhecimento populacional dos três países e também as especificidades de cada região.

Com o tema "Políticas e Práticas para a Longevidade" foram apresentados casos, esperando que as experiências compartilhadas contribuam para a ampliação de melhorias para a população idosa.

 As apresentações da cidade de Valencia, Espanha, permitiram conhecer iniciativas voltadas à população idosa, diferentes entre si, com objetivos convergentes.

 O panorama das políticas de saúde mental na Colômbia mostram avanços no que tange às pessoas idosas. E sobre o Pará, no norte do Brasil, foi apresentado o estado-da-arte da pesquisa empreendida pela comunidade acadêmica.

 Ao final, foi feita uma exposição da trajetória das políticas internacionais que referenciaram políticas para o envelhecimento no Brasil e no mundo.

domingo, 24 de abril de 2022

Uma união possível: Moradia, Conselhos de Direitos da Pessoa Idosa e Conselhos de Arquitetura e Urbanismo

 Políticas Públicas e Habitação de Interesse Social

 

https://www.capitaldopantanal.com.br/geral/projeto-urbanistico-que-vai-investir-us-40-milhoes-em-corumba-foi/519445/

Caso se unissem a “Frente Nacional de Fortalecimento dos Conselhos de Direitos da Pessoa Idosa” (FFC) e o “Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil” (CAU/BR), poderiam desenvolver projetos conjuntos em cumprimento dos Artigos 37 e 38 do Estatuto do Idoso (Lei n.° 10.741/2003) sobre “Habitação” para a população idosa.

São abordadas no Estatuto do Idoso, entre outras questões: moradia digna; identificação externa de residências coletivas; reserva de unidades residenciais em programas habitacionais públicos ou na modalidade público-privada; eliminação de barreiras arquitetônicas e urbanísticas; critérios de financiamento compatíveis com os rendimentos de aposentadoria e pensão.

O CAU/BR desenvolve uma linha de política habitacional de forma prioritária em que os conselhos estaduais de arquitetura e urbanismo estão implantando vários projetos e ações de acordo com as suas peculiaridades locais.

Nessa linha, o CAU Paraná lançou no dia 31 de março pp, em Maringá, PR, o projeto de "Oficinas para construção e capacitação de um instrumento diagnóstico habitacional municipal a partir dos Agentes Comunitários de Saúde (ACS)". O fomento do projeto é do CAU/BR e a realização é da Prefeitura de Maringá e da Fundação João Pinheiro, com o apoio do projeto ATHIS (Assistência Técnica em Habitação de Interesse Social).

Os Conselhos Municipais de Direitos da Pessoa Idosa podem se articular com os Conselhos Estaduais de Arquitetura e Urbanismo para mobilizarem a gestão pública municipal em relação à legislação já existente.

De abrangência geral, a Lei Nº 11.888, de 24 de dezembro de 2008, estabelece que deve-se “Assegurar às famílias de baixa renda assistência técnica pública e gratuita para o projeto e a construção de habitação de interesse social e altera a Lei no 11.124, de 16 de junho de 2005”.

Em 2016, a publicação do IPEA “Política nacional do idoso: velhas e novas questões” analisou os 20 anos da Política Nacional do Idoso, tendo um capítulo sobre Habitação que descreve políticas públicas da área.

Cabe fazer a aproximação!

terça-feira, 12 de abril de 2022

Inovações para a longevidade!

Imagem da Cartilha da Comissão Nacional de Desenvolvimento Sustentável de Povos e Comunidades Tradicionais http://www.mds.gov.br/webarquivos/arquivo/acesso_informacao/povos_comunidades_tradicionais/II_encontro/Cartilha%20CNPCT.pdf

                                      Imagem da Cartilha da Comissão Nacional de Desenvolvimento Sustentável de Povos e Comunidades Tradicionais
http://www.mds.gov.br/webarquivos/arquivo/acesso_informacao/povos_comunidades_tradicionais/II_encontro/Cartilha%20CNPCT.pdf

Tem artigo sobre Povos e Comunidades Tradicionais (PCTs)? Quer ajudar a conhecer como é a longevidade dos PCTs?

 A chamada de artigos espera contribuir para divulgar o conhecimento que proporcione uma nova visão da expectativa de vida da população geral a partir das especificidades desses Povos e das políticas dos diversos países.

 Prazo: 22 de julho de 2022

 Forma de envio: e-mail para gegop.longevidade@gmail.com

Iniciativa da revista Estudios/Working Papers do GIGAPP (Grupo de Investigación en Gobierno, Administración y Políticas Públicas) em parceria com o Núcleo Gegop Longevidade (Políticas e Práticas para a Longevidade) e apoio do Grupo Gesdel (Gestão Social e Desenvolvimento Local) e da Frente para o Fortalecimento dos Conselhos de Direitos das Pessoas Idosas (FFC Brasil).

 Mais informações no documento.

https://drive.google.com/file/d/1viXoaux1bRoXknBsj0jNjQKsrWJB6xYz/view?fbclid=IwAR2j4hKMlLp6TKuQl3RD_vxvJVyV_RFXyKjEDRToB50clzv4Lxf5AcSZpYk

quarta-feira, 30 de março de 2022

Aberto o recebimento de RESUMOS!

Quer apresentar trabalho em um congresso internacional?

Dá para preparar um resumo até dia 25 de abril?

É possível escrever sobre o tema "Políticas e Práticas para a Longevidade"?

Então, vem para o GIGAPP 2022!

O XI Congreso Internacional en Gobierno, Administración y Políticas Públicas – GIGAPP 2022 – está recebendo propostas para sua edição deste ano e convidamos você a participar conosco do GT 2022-30 – Políticas e Práticas para a Longevidade.


No primeiro momento é necessário somente um resumo. O trabalho completo poderá ser enviado em agosto de 2022.

Sobre temas da longevidade, as informações sobre o grupo de trabalho “Gegop Longevidade: Políticas e Práticas para a Longevidade” (GT 2022-30) estão disponíveis no link https://sites.google.com/view/gigapp2022/grupos-paneles-aceptados?authuser=0.#h.gaulu1nzvf3m

O Congresso é um evento anual do GIGAPP - Grupo de Investigación en Gobierno, Administración y Políticas Públicas.

Parceiro do GIGAPP, o Gegop (Grupo de Pesquisa CNPq Espaços Deliberativos e Governança Pública/UFV) abre espaço para temas da longevidade.

1º passo: envio de RESUMO, do artigo ou comunicação científica, até dia 25 de abril de 2022.

2º passo: em caso de aprovação do resumo, envio do trabalho completo até 22 de agosto de 2022, que pode ser produzido em português ou espanhol.

Para outros temas, inclusive registro e inscrição no congresso, consultar o link: https://sites.google.com/view/gigapp2022/grupos-paneles-aceptados?authuser=0

Datas importantes:

25 de abril de 2022: envio de Resumo.

22 de agosto de 2022: envio do trabalho completo. 

À disposição para os esclarecimentos adicionais que se fizerem necessários.

Contatos: gegop.longevidade@gmail.com

Simone Martins, Rosa Roig, Carmen Pineda e Silvia Costa

Coordenadoras do GT 2022-30 - Gigapp 2022 e do Núcleo Gegop Longevidade

 

Realização

Gegop - Grupo de Pesquisa Espaços Deliberativos e Governança Pública


Apoio

Grupo de Pesquisa Gestão Social e do Desenvolvimento Local (GESDEL)

Frente para o Fortalecimento dos Conselhos de Direitos da Pessoa Idosa (FFC)

quarta-feira, 23 de março de 2022

Ampliado o Sistema da Estratégia Brasil Amigo da Pessoa Idosa

Em março foi relançado o Sistema da Estratégia Brasil Amigo da Pessoa Idosa (SISBAPI) voltado à implementação da Estratégia Brasil Amigo da Pessoa Idosa (EBAPI). A governança atual é do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos.

Painel de entrada ao SISBAPI

A EBAPI resulta de concepção e execução conjunta dos ministérios da Cidadania, da Saúde e dos Direitos Humanos, com a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS)/OMS e o Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa Idosa.

Estados e municípios que já faziam a gestão pelo SISBAPI, agora há um novo link de acesso para o gerenciamento da EBAPI.






quinta-feira, 17 de março de 2022

Para aprender com a Europa: projeto "TRACE – Cidadania Queer ao Longo do Tempo: Envelhecimento, idadismo e políticas LGBTI+"

Foram concedidos 2milhões de euros pelo Conselho Europeu de Investigação (ERC) para o Projeto Trace a ser coordenado por Ana Cristina Santos, Investigadora Principal do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra (CES-UC).

Segundo a coordenadora, "principal objetivo do TRACE é contribuir para políticas LGBTI+ inclusivas de pessoas com mais 60 anos, evitando o desperdício de experiência e produzindo conhecimento baseado em evidência sobre o envelhecimento LGBTI+”.

Ana Cristina Santos